domingo, 8 de dezembro de 2013

Universo dos homens

O homem racional está cheio de ideias, sucumbidas por elas e quase se afogando. Não se sabe mais o limite entre o homem espiritual e o homem racional. Deve agir no meio termo. A razão não é validada quando não se tem uma emoção por trás. O coração e o cérebro devem estar sempre em sintonia harmônica, o que eu penso e faço está ligado ao coração que é mandando pelo cérebro, ou seja, a emoção e a razão ligadas por um fio e devemos afina-la no modo que estejam em cooperação. A desarmonia dessas partes transforma o mundo em extremos, divide o que não se pode dividir: amor e ódio, bem e mal. Está tudo interlaçado por essa harmonia bela. Devemos voltar ao passado e beber dessa água, pois a modernidade não precisa mais de extremos e sim de justo meio.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

um olhar profundo

As pessoas passam e me olham de jeito desconcertante, um olhar fixo nos meus olhos como estivessem navegando em minha alma, mas isso somente eu que acho, pois essas pessoas estão olhando somente para o meu olho e me culpam de alguma coisa que nem eu sei o que estou sendo culpado. Passam e seus olhos superficiais dizem que sou naquele momento, esquecem que fui alguém, sou alguém e vou ser alguma coisa, no passado, presente e futuro. Eu fui. Eu sou. Eu vou ser. Quero achar alguém, além de mim, para navegar nas curvas dos meus olhos como alguém já o fez um dia, mas esse o fez errado, não se deve olhar nas curvas e sim no profundo da meu olho onde se esconde a minha alma, meu ser eterno.