sábado, 1 de setembro de 2012

Sou um livro aberto, faltando paginas
voce pode ler-me quando quiser e se puder
voce pode ler-me como for coviniente
como pespectivas adversas
como se fosse um livro comum ou estranho
tem paginas rancadas para esquecer-me delas
paginas riscadas para ocultar o passados
ocultar o que não deve ser vivido ou repitido
assim vai esse livro que é minha vida
um livro inerte, um livro tediante, mas peculiar
não sei como descreve-lo em palavras
então fica essas como uma tentativa de dizer
o que alí se encontra

assim voce lê e vê o que deseja

pelo que não for dito 
pelo que não deixa de ser escrito

e assim voce lê e vê o que deseja.

a espera...do que?? do trem como pedro pedreiro?? a espera do amor?? a espera da vida acontecer,
mas nao vai acontecer pq estou inerte nessa espera.
só esperando o algo acontecer, sentado no sofá olhando tempo passar
tic tac..tic..tac
as pessoas passam na rua e em seus passos eu ouço 
"tic tac",
o tempo passa a minha frente, mas não como um surrealista
vai passando e é o tic tac que ouço !!! sentado e só ouço o tic tac!