sexta-feira, 20 de maio de 2011

Amor

Dormiu um sono profundo
o escuro no clarão espanta
tomando pelo medo de não ver
Este labirinto que me perco no grito
proucurando o caminho devido
sem olhar um palma na minha frente
devoro-me ao decifar-me
Vou levar meu coração ao escuro
no clarão do sanque quente que espanta.

domingo, 15 de maio de 2011

Gente

Não me esqueço destes rostos
 que a luz do dia os guia
brancos, negros, amarelo, mulatos
enfuniados nos onibus lotados

Não me esqueço destes rostos
olham-me como se eu fosse diferente
mas não sou ninquém além dos mesmos
pois tenho o mesmo rosto
todos estes melancolicos

Gentis são estes rostos
coitados e esperançosos
esperando por algo
 abandonados no ponto
olhando para luz
a espera de um guia
de uma luz divina.
Não me esqueço destes rostos

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Sentido Pra Quem ?

Amei muito, não muitos
Sujei tudo e todos
Virei-me contra mim
Joguei o pano

Se fazer sentido
Tudo bem
Tanto faz
Nada fica
Tudo se vai
Uma hora ou outra
Vai...fica...Não.

A volta

A volta subita não ilude
toda busca perde-se
por não achar nada
na proucura do nada
O vazio é a busca
na espera de algo
no olhar o nada
tudo se faz
Perde-se
Ilude-me
Na espera
Minutos
Segundos
Horas
Passam
Vai
Foi
Fui