quarta-feira, 30 de junho de 2010

monologo.

_Não me sufucas.Não faz isso comigo.Não me aperte assim.
estou do teu lado, mas não me deixes aqui
só.
não te espero, pois sei que me esperas
e te esperar me trás assim em estradas
curtas que jurei não passar mais lá.
Não estou aqui por ti. Não vim para
me explicar e se perguntastes o movito
de estar a sua frente, não lhe saberei
dizer.
quando abres a porta não se é somente uma
porta aberta.É uma luz no fim do tunil
ou sei lá como se densenrola esse tal
ditado pouplar.
eu sei que estimo. Mas não sei o que estimo
ou a quem estimo
seu sei que estimar é quere o bem de alquem
ou até a vontade de possuir algo
mas como possuis algo que não tem
como possuis algo que não quer ser
possuido.
não sei se me explico bem.
mas porque me explico se
nem vim para me explicar.
esse conversa tá ficando muito longa
e não sei onde ela vai chegar.
ela quem? a conversa ou nós?
sei la.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Luã

Ele afoga-se em si mesmo e de lá não sai
de porta fechada sente-se mais confortavel
por não deixar ninquem o sujar
o sujeitar a coisas que não quer
quanto menos opinar

Ali fica obscuro em seu próprio eu
eu e nada mais somente eu
e no eu vai vivendo sua vida
não deixa de ter amigos
de ter uma vida
mas o seu ego
é que diz quem sou eu
e eu sou ele e ele sou eu.
O vento sul já levou todo o meu ardor
por agora nada sobra
restam as lembraças
da triste felicidade

abraça me com ironia
sinto teus braços
mas não sinto seu sangue
pulsar ao me ter
não sinto mais teus seios
debruçados ao meu
não sinto a alegria
de ter-te ao meu lado

não quero entrar nessa querra
não entro em querras para perder
e se entrar nem quero quanhar
sou um bom perdedor e isso basta
sou um bom jogador e isso basta

amigos amigos negocios a parte
e isso basta.